18 junho 2011

Durma



O que pensa quando dorme?
Pobres almas, sortidas no espaço,
Incompletas de traços, laços
E suas ações no tempo disforme.

“Durma meu amor!”
Sonhe até morrer
Absorva o grande fulgor.

"Durma para refazer!”
O brilho que dos olhos se foi
Deixando nada a se dizer.



Débora Cristina Albertoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário