03 outubro 2011

Nefastas vitórias




Por nefastas vitórias
Sangue escorre dos olhos e da espada
Lâmina que está fadada
Na pele do inimigo rasgar as memórias.

E pelo último segundo
Que faz a diferença
Que pode acabar com a presença
De um futuro ainda fecundo.

Busca a maldade por cristas de ouro
Marfins e couro
Que da coroa reflete.

Suas falanges te traem
Pela lei natural caem a sua imagem
E no trono o próximo remete.


Débora Cristina Albertoni

Um comentário: