22 agosto 2016

Porque estou viva



Esperando saber quem eu sou
Sobrevivendo às pressões
Servindo os pratos de decepções,
Mas "não era para eu estar aqui"!

Lágrimas não se definem mais
Discutir não vale mais a pena
Sentir não vale mais a pena
Porque "não era para eu estar aqui"!

Sirvo o prato de sorrisos
De abraços e laços
Mas as mesmas palavras ouço no final:
"Não era para eu estar aqui"!

Me pergunte quem eu sou
Depois de tudo o que eu disse
Depois de toda a minha vida
Se "não era para eu estar viva"!

Agora pergunte qual a condição?
A condição de vida que me é imposta,
Porque? Porque então estou viva,
Se não é para viver a minha vida?!

Débora Cristina Albertoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário