11 setembro 2011



Deixei minhas marcas na tábua da vida
Com pregos constituídos de atitudes e suas desmedidas
Marcas que ficaram desta vida tão sofrida
De mudanças, idas e vindas do coração nascidas.

Pergunto por que dessas meras frases
Depois de criada a mero caso
Quer significar o atraso
Mas tão supridas de orgulhos e vaidades.

Cai as faces do que faz
Agora, aqui jaz
Alguém que mudou pela vida afora.

As idas e as vindas buscadas no olhar
Refletidas no que procurar
Aqui jaz aquele que mudou e ainda pela vida tenta e melhora.


João Gabriel Nobre de Paula & Débora Cristina Albertoni

Nenhum comentário:

Postar um comentário